domingo, 6 de março de 2011

Stuck in a moment

- Tá, e qual é o problema então?

- Em relação?

- A ela.

- Nenhum. Acho.

- Como nenhum? Você passou a noite reclamando.

- É, mas não porque tenha problema...

- E o que é?

- Eu errei. Fiz besteira.

- Ah...

- É... Acho que perdi uma ou duas oportunidades. Talvez até três! O que me leva a pensar que não existe problema. Ou, se existe, sou eu.

- Não sei, você realmente acha que existe essa coisa de oportunidade?

- "Essa coisa"? Claro que existe.

- Mas o que seria uma "oportunidade" então? Que tipo de conjunção ou alinhamento universal
faria com que uma situação fosse qualificada como "oportunidade"? Existem muitas variáveis! São praticamente infinitas!

- É justamente por isso que é chamada de "oportunidade". Porque é uma situação em que todos os parâmetros estão configurados de forma a estabelecer uma conexão entre duas situações que, de outra forma (ou em outro momento), não existiria. Acho que um exemplo bom é o de duas pessoas que se encontram por acaso. E, por algum motivo, começam a conversar. O fato de começarem a conversar significa que uma oportunidade foi aproveitada. Talvez um dos dois percebesse isso, e não quisesse deixar escapar. E aí depois vai existir uma sequência praticamente interminável de outras oportuniades, enquanto estiverem conversando.

- E quando é que a gente percebe uma oportunidade?

- Não sei. Veja aí, eu não sou muito bom em percebê-las...

- Mas você não percebeu ou percebeu e não soube o que fazer?

- Boa pergunta, mas acho que eu percebi, e não soube o que fazer. Ou melhor, eu percebi e soube o que fazer, mas não fiz.

- E por quê não?

- Essa é outra boa pergunta.

2 comentários:

Alfredo disse...

He...

Ariana disse...

Oportunidades perdidas, eu poderia fazer uma coleção delas...
Elas passam por mim e eu passo por elas.